Traga seu negócio para a Era da “economia pós-posse”

04/10/2017

                                                    Traga seu negócio para a Era da “economia pós-posse”

                                       “Você é o que você possui” está se transformando em “você é o que você compartilha”

Você sabia que a Economia de Partilha (EP) foi nomeada como uma das “10 ideias que mudarão o mundo” e seu tamanho foi estimado em US $ 26 bilhões (Geron, 2013; Cannon & Summers, 2014)?

É consensual que o hábito do compartilhamento seja tão antigo quanto a humanidade, mas, embora seja uma prática antiga em que as pessoas muitas vezes compartilhavam ativos um com o outro, a EP é um fenômeno relativamente novo por meio de padrões de tecnologia (Zifkin, 2015), nascido na era da internet web 2.0 (Belk, 2014) e em que você não está ajudando um amigo de graça, mas sim fornece serviços EP a um estranho em troca de dinheiro (Sundararajan, 2016). Graças à EP as pessoas podem ter acesso a quartos – Airbnb, Roomorama –, carros e bicicletas – Relay Rides, Wheelz – e serviços de táxi – Uber, Lyft (Malhotra e Van Alstyne, 2014).

A EP tem tido um notável impulso e atraído uma grande atenção nos últimos anos de uma ampla variedade de stakeholders. Ao longo deste processo, a EP foi avaliada como (i) tendo um enorme potencial para criar novos negócios e serviços que possam alocar valor de uma forma mais justa, que sejam organizados de forma mais democrática, que reduzam as pegadas ecológicas, e isso pode unir as pessoas de novas maneiras, (ii) envolvendo milhões ou mesmo bilhões de participantes e (iii) capitalizando os ativos existentes (artefactos e bens como explicado anteriormente – ex.: automóveis, bicicletas, quartos não utilizados em apartamentos, máquinas agrícolas, etc.) ao mesmo tempo em que produziu efeitos indiretos na economia (Bonciu & Bâlgar, 2016), pois introduziu nela “novos” ativos que não eram considerados e estavam sendo subutilizados.

Existe uma verdadeira dimensão “transformadora” associada à EP: sendo fomentada por excitantes novas tecnologias, ela introduziu uma facilidade pela qual indivíduos, até estranhos, agora podem se conectar, trocar, compartilhar informações e cooperar estando sempre em sintonia com as exigências de responsabilidade social.

Esses desenvolvimentos começaram a desafiar o pensamento tradicional sobre como os recursos podem e devem ser oferecidos e consumidos, apoiando os argumentos de que as melhorias incrementais em nossos sistemas de produção e consumo existentes são insuficientes para transformar nossa economia global em direção à sustentabilidade (Lovins & Cohen, 2011; Stead & Stead, 2013).

O que essas novas formas de modelos de negócios têm em comum é que eles operam em “economias compartilhadas” de consumo colaborativo, onde as pessoas oferecem e repartem recursos subutilizados de uma forma criativa e nova (Botsman & Rogers, 2010). A Airbnb, por exemplo, permite que as pessoas aluguem uma parte ou a totalidade de suas casas para estadias curtas, e a Uber permite viagens em tempo real e com base em localização. Um número cada vez maior de indivíduos que podem não ter considerado compartilhar ou alugar um quarto em apartamento privado como sua residência de férias há alguns anos agora preferem esses modelos de compartilhamento para alternativas comuns. O sucesso da EP foi impulsionado também por uma crescente consciência ambiental combinada com a onipresença da Internet e as tecnologias de informação e comunicação associadas que possibilitam a partilha em escala.

Nós, IY, desafiamos você a trazer seu negócio para esta visão de Economia de Partilha. Faça parte deste movimento global e saiba como fazê-lo! Oferecemos um diagnóstico para identificar oportunidades de desenvolvimento de projetos na EP guiando-o para entender o que é preciso para legitimar seu negócio como uma atividade de EP.

                                                                                                                                                                           (João Miguel O. Cotrim, 2017)

João Miguel O. Cotrim é Investigador, PhD candidate e Mentor de Projetos de Impacto Social. Quer entrar em contato com o João Miguel? Clique aqui.

Curadoria de Conteúdo: Ana Paula P. Candeloro

Tags: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Instituto Yiesia acredita no poder da transformação por meio do conhecimento que leva ao exercício da liderança.

+55 (11) 5571-0559

+55 (11) 3078-4285

yiesia@yiesia.com.br

Produtos e
Serviços